• Política 14/11/18 | 07:51:05
  • Saída da Casan não depende da Câmara de Vereadores, esclarece Rubiano
  • Manifestação aconteceu após nota emitida pela Casan à imprensa estadual
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Ass. Imp. Câmara Municipal de Caçador
  • Foto: Ass. Imp. Câmara Municipal de Caçador

Repercutiu na sessão ordinária desta segunda-feira (12) da Câmara Municipal de Caçador, uma nota enviada na semana passada pela Casan e lida no Jornal do Almoço, da NSCTV, de que companhia não pode entregar o serviço de abastecimento no Município porque já há um contrato de programa em andamento assinado em dezembro de 2016, e que só poderia ser oficialmente rescindido depois de trâmites processuais como, por exemplo, a autorização da Câmara de Vereadores à prefeitura para iniciar o processo de tentativa de rescisão.

O Presidente Rubiano Schmitz (PSD) classificou como mentirosa a referida nota, já que não há necessidade de autorização do Poder Legislativo para que a empresa deixe o sistema.

Rubiano lembra ainda que o contrato efetuado pelo ex-prefeito Beto Comazzetto no final do seu mandato aconteceu durante o processo licitatório em que outra empresa acabou vencendo o certame. "Naquela oportunidade firmou-se o contrato com a Casan e não se deu continuidade à licitação, o que motivou um mandado de segurança por parte da BRK Ambiental, vencedora do processo licitatório. A Justiça se manifestou dizendo que o contrato com a Casan era nulo, por ser ilegal, decisão essa mantida em 2º grau pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Mesmo assim a Companhia se nega a deixar o serviço. Há poucos dias a prefeitura entrou com ação no Poder Judiciário, onde o juiz determinou que a Casan tem 20 dias para entregar o sistema. Nossa cobrança na Câmara é que enquanto a empresa estiver gerindo o serviço, que continue trabalhando de forma ética e responsável, permitindo que as pessoas tenham água em suas casas. Não queremos que a nossa população seja prejudicada por boicotes e questões administrativas, tão pouco por notas mentirosas emitidas pela Casan na mídia estadual, ventilando uma responsabilidade que não é da Câmara", disse.

Moacir D'Agostini (DEM) também se manifestou a respeito, criticando a postura do veículo de comunicação em ouvir apenas a Casan. "Deveriam ouvir todos as partes, a prefeitura, o Poder Judiciário e Câmara de Vereadores não para induzir as pessoas com uma notícia parcial e mentirosa", completou.

A manifestação também foi seguida pelo pedetista Marcos Creminácio, enaltecendo que a Câmara não tem mais competência sobre este assunto e que o seu papel, através de cobrança política para que a população não fique sem água, está sendo feito por todos os vereadores.

comentários