• Polícia 09/02/17 | 10:19:33
  • Viúva Negra quebrará o silêncio e contará toda a verdade, diz advogada
  • Marli Teles de Souza e seu filho UIisses irão a júri popular no dia 17
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Jonathan Ribeiro/Rádio Caçanjurê
  • Foto: Divulgação

O jornalismo da Rádio Caçanjurê entrevistou a advogada Márcia Helena da Silva, qual fará a defesa dos réus, Marli Aparecida Teles de Souza, conhecida nacionalmente como "Viúva Negra", e seu filho Ulisses Antônio Souza de Oliveira, acusados da morte de Rui Nadarci Dias de Oliveira. O crime ocorreu em 2014 e os dois vão a júri popular no próximo dia 17 no Fórum da Comarca de Caçador.

De acordo com a advogada, seus clientes, sob orientação de outro defensor, optaram por ficar em silêncio e permaneceram com este posicionamento até o momento. Porém, no dia do júri, mãe e filho vão contar toda a verdade sobre o caso, respondendo todos os porquês que ainda estão sem resposta por parte dos acusados.

Márcia disse ainda que mesmo se tratando de um caso de grande repercussão, será tratado com a mesma importância de casos menos conhecidos. "A mídia fez um estardalhaço do caso, mas para mim, trato com a mesma seriedade todos os casos. O da Marli teve sim uma dimensão maior que atingiu meios de comunicação de nível nacional. Mas eles são meus clientes e não é a mídia que regra o meu trabalho, e sim a importância de cada caso e a liberdade do cliente", frisou.

A advogada revelou que antes atuava outro defensor no caso, qual orientou os dois a manter o silêncio. Mas agora este silêncio que perdura há mais de dois anos será quebrado no dia do júri. Márcia contou ainda que o processo de seus clientes já era para ter sido julgado em abril passado, porém a defesa entendeu a necessidade de alguns recursos junto ao Tribunal de Justiça, na esfera estadual e federal, o que acabou que o processo se prolongou mais.

"Durante a investigação foram cogitados cinco homicídios. Do ex-marido, pai, e mais três pessoas que Marli teve envolvimento. Do ex-marido, do pai e de uma segunda pessoa que ela teria se envolvido, foi comprovado que não teve envolvimento nenhum com as mortes, tanto é que os processos foram arquivados. Este que está indo a júri, vamos esclarecer todos os fatos e de um outro que está em fase inicial ainda", disse.

Promotor de justiça não tem dúvidas quanto a autoria dos crimes cometidos por mãe e filho

O promotor de justiça Fernando Rodrigues de Menezes Junior afirma não ter dúvidas da autoria dos crimes. Ele disse ainda que neste processo, mãe e filho respondem apenas pela morte de Rui.

"Este processo é bastante extenso, com mais de 2.500 páginas e tem conjunto probatório bastante aprofundado de maneira que acredito já ter elucidado como teriam acontecido os fatos", disse.

O promotor disse ainda, que este é um caso que chama a atenção de toda a sociedade, muitos meios de comunicação interessados. "No dia dos fatos esperamos que os jurados não avaliem pelo que foi divulgado pela imprensa, mas sim as provas que serão mostradas e que eles tomem a melhor decisão", esclarece.

"O crime foi planejado desde a contratação do seguro de vida, aquisição dos medicamentos e a alteração do local do crime. Tudo o que era possível foi feito, desde a investigação até a condução do processo e com base nas provas não restam dúvidas da minha parte quanto a autoria dos crimes praticados por Marli e seu filho", finalizou.

LEIA MAIS: Caso Viúva Negra terá júri popular