• Geral 03/08/17 | 16:46:25
  • Ouvinte denuncia casos de crianças pedindo esmolas em supermercados
  • Carros estão sendo riscados e pessoas são xingadas ao negar ajudar
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Jonathan Ribeiro/Rádio Caçanjurê
  • Foto: Divulgação

Um ouvinte da Rádio Caçanjurê procurou nesta quarta-feira, 3, a equipe de jornalismo para denunciar casos de crianças pedindo esmolas em supermercados em Caçador. Segundo o ouvinte que pediu para não ser identificado, o agravante é que quando a pessoa se nega a dar dinheiro e comida às crianças, eles xingam e ainda riscam os carros.

De acordo com o ouvinte, ele diariamente vai ao mesmo supermercado há quatro meses para buscas a esposa. Ele observou que tem crianças com idade entre 6 e 10 anos pedindo dinheiro ou comida. “Se a pessoa se recusa a dar o que eles pedem, os meninos xingam as pessoas e riscam carros. Já as meninas ficam nos cantos pedindo comida e dinheiro. Mas uma das minhas preocupações é que eles andam entre os carros estacionados testando a fechadura para ver se os carros estão trancados”, afirmou.

Para o homem, uma grande preocupação é o caso de as meninas estarem na fase de transformação do corpo, e correm o risco de algum crime grave por estarem vulneráveis a muitas coisas. Ele afirmou ainda que a mãe destas crianças fica do outro lado da rua, esperado os filhos levarem o que ganham.

Em contato com o Conselho Tutelar, a conselheira Maria Augusta Nhoato disse que o conselho tem conhecimento da situação e já receberam inúmeras ligações inclusive de funcionários dos supermercados. “Muitas vezes quando chegamos, não estão mais no local. O que pedimos é que não dê esmolas e se começarem a xingar, ameaçar ou até mesmo danificar algum veículo é para chamar a polícia”, comentou.

A conselheira comentou também que essas crianças já recebem atendimento da rede e o Ministério Público já fez audiência com a família, e que precisam ficar sabendo da atual situação.

“Todo o ano é falado a mesma coisa. Acaba sendo cansativo, mas sabemos que não dá para desistir. Até por entender que estas crianças, quais ficam em frente a supermercados e padarias estão em situação de risco, uma vez que estão expostas nas ruas”, enfatizou.

Segundo Maria Augusta, tem uma campanha em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) com cartazes e panfletos para não dar esmolas. Esta ação acaba incentivando e mantendo as crianças nas ruas.

“Dar dinheiro e comida não vai ajudar essas crianças. Pelo contrário, está dando margem para que este problema continue. Por isso, a nossa recomendação é que não dê esmola e em caso de danos a veículos, ameaça e xingamentos, a Polícia Militar deve ser acionada”, finalizou.

comentários