• Geral 19/05/17 | 14:20:22
  • Pesquisa aponta dados sobre violência sexual em Caçador
  • Entre 2012 e 2016 foram notificados 414 casos de diferentes tipos
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Ass. Imprensa Prefeitura de Caçador
  • Foto: Divulgação
Uma pesquisa realizada pela enfermeira Paula Brustolin Xavier destaca os números alarmantes e a necessidade da conscientização e combate ao abuso à exploração sexual de crianças e adolescentes no município. Para se ter uma ideia, no período entre os anos de 2012 e 2016 foram registradas em Caçador 414 notificações de diferentes tipos de violência.
 
O estudo de Paula aponta para a necessidade das ações e serviços dos profissionais da saúde para identificar o risco ao qual estão expostas as vítimas e a importância de realizar a denúncia junto aos órgãos competentes. 
 
Os números da pesquisa mostram que 41% das vítimas tinham entre um e 19 anos de idade, e uma média de 18 novos casos por ano. O predomínio das vítimas agredidas sexualmente está na faixa etária de 10 a 14 anos, apontando 52% do total. Em seguida, 32% entre 15 e 19 anos. O sexo feminino é maioria nesta estatística, sendo 88% do total. 
 
Associado à violência sexual, 48%, das vítimas sofreu violência física. A maior parte dos abusos ocorreu na residência das vítimas, sendo 69%. E os agressores, em 47% dos casos eram pessoas conhecidas, amigos, ex-namorado ou cônjuges. Pessoas de relações próximas como pai, irmão, padrasto ou primo estavam envolvidos em 29% das vezes. E 24% foram considerados desconhecidos. Quase metade do número de vítimas, 47%, sofreu o abuso mais de uma vez.
 
Em sua pesquisa, Paula relata que as notificações são obrigatórias por lei e que os números avaliados podem não ser os casos totais da cidade. “Falar de abuso e violência sexual se torna cada vez mais necessário em nosso meio. Embora tenhamos subnotificações dos casos, pelo fato dos profissionais e órgãos que atendem não realizarem a comunicação que é obrigatória por lei”. 
 
“A violência sexual é caracterizada por tentativas de atentado ao pudor até o estupro, deixa profundas marcas na saúde mental e física das vítimas. Esse agravo tem se tornado frequente em nosso município, causando sérias repercussões e relevante problema de saúde pública, pois se trata de um público extremamente vulnerável”, completou.

comentários